Atual traçado das ondas do calçadão de Copacabana - aoredordomundo.com.br

Atual traçado das ondas do calçadão de Copacabana – aoredordomundo.com.br

 

Quando falamos em COPACABANA, imediatamente nos vêm à mente as sinuosas e sensuais curvas de seu calçadão, certo? Elas são a logomarca do bairro, da cidade do Rio de Janeiro e, em muitos casos, do próprio Brasil.

Mas você sabia que o desenho das ondas do calçamento da “Princesinha do Mar” é original de Lisboa, em Portugal?

 

Do fado…

Isso mesmo: na Praça do Rossio, em Lisboa, foi realizado pela primeira vez o calçamento em mosaico português (com basalto e calcário) em padrões ondulantes. Isso foi em 1848, uma iniciativa do General Eusébio Pinheiro Furtado.

O desenho das ondas simboliza o encontro das águas doces do Rio Tejo com as águas salgadas do Oceano Atlântico.

Essas primeiras calçadas foram executadas por presidiários, chamados na época de “grilhetas”. Atualmente, em Portugal, os trabalhadores especializados na colocação deste tipo de calçada são denominados mestres calceteiros.

Praça do Rossio - Lisboa, PT - dicasdelisboa.com.br

Praça do Rossio – Lisboa, PT – dicasdelisboa.com.br

 

Mestres Calceteiros trabalhando - pt.wikipedia.org/wiki/Calçada_portuguesa

Mestres Calceteiros trabalhando – pt.wikipedia.org/wiki/Calçada_portuguesa

 

Estátua em homenagem aos Mestres Calceteiros portugueses - Lisboa, PT - archdaily.com.br

Estátua em homenagem aos Mestres Calceteiros portugueses – Lisboa, PT – archdaily.com.br

 

… à bossa nova!

O traçado em curvas da famosíssima calçada de Copacabana, com seu padrão “mar largo”, é conhecido no mundo inteiro. A história diz que suas ondas representam o mar. Quando foram implantadas, em 1905, elas eram menos sinuosas e tinham orientação perpendicular em relação à praia.

Tudo foi trazido de Portugal: tanto as pedras quanto a mão-de-obra!

Copacabana Palace nos anos 20 - calçamento com ondas perpendiculares à orla - copacabana.com/fotos-do-hotel-copacabana-palace

Copacabana Palace nos anos 20 – calçamento com ondas perpendiculares à orla – copacabana.com/fotos-do-hotel-copacabana-palace

 

No início dos anos 30, após uma forte ressaca que destruiu praticamente todo o pavimento, a calçada foi refeita, desta vez com as ondas paralelas ao mar.

Copacabana nos anos 50 - as ondas do calçadão já eram paralelas às ondas do mar - oriodeantigamente.blogspot.com.br

Copacabana nos anos 50 – as ondas do calçadão já eram paralelas às ondas do mar – oriodeantigamente.blogspot.com.br

 

Na década de 70 foi realizada a grande reforma projetada pelo arquiteto, paisagista, artista plástico e excepcional mosaicista Roberto Burle Marx.

Com o projeto de Burle Marx, em 1970, a faixa de areia e o calçadão foram alargados e as pistas para veículos duplicadas - laformamodernaenlatinoamerica.blogspot.com.br

Com o projeto de Burle Marx, em 1970, a faixa de areia e o calçadão foram alargados e as pistas para veículos duplicadas – laformamodernaenlatinoamerica.blogspot.com.br

 

A obra

Nesta ocasião foi realizado um aterro hidráulico, ampliando não apenas as faixas para veículos e o calçadão, mas também a faixa de areia. Confiram algumas imagens da obra na galeria abaixo:

  • Vista da Avenida Atlântica antes da duplicação: pista única e mão dupla - acervo.oglobo.globo.com
    Vista da Avenida Atlântica antes da duplicação: pista única e mão dupla - acervo.oglobo.globo.com
  • Carros e ônibus trafegavam próximos à faixa de areia - acervo.oglobo.globo.com
    Carros e ônibus trafegavam próximos à faixa de areia - acervo.oglobo.globo.com
  • Obras: do alto, é possível ver a tubulação do emissário submarino - acervo.oglobo.globo.com
    Obras: do alto, é possível ver a tubulação do emissário submarino - acervo.oglobo.globo.com
  • Transtorno: os moradores de Copacabana sofreram com a duplicação da Avenida Atlântica - acervo.oglobo.globo.com
    Transtorno: os moradores de Copacabana sofreram com a duplicação da Avenida Atlântica - acervo.oglobo.globo.com
  • Projeto: a remodelação da Avenida Atlântica permitiu a instalação de um interceptor oceânico na Zona Sul - acervo.oglobo.globo.com
    Projeto: a remodelação da Avenida Atlântica permitiu a instalação de um interceptor oceânico na Zona Sul - acervo.oglobo.globo.com
  • Aterro: para duplicar as pistas, parte da faixa de areia foi aterrada. Isso levou muitos moradores a temer pela segurança da obra - acervo.oglobo.globo.com
    Aterro: para duplicar as pistas, parte da faixa de areia foi aterrada. Isso levou muitos moradores a temer pela segurança da obra - acervo.oglobo.globo.com
  • Crianças fugindo da forte descarga de material para o aterro - rioquepassou.com.br
    Crianças fugindo da forte descarga de material para o aterro - rioquepassou.com.br
  • Novo visual: destaque para os mosaicos de pedra portuguesa assinados por Roberto Burle Marx - acervo.oglobo.globo.com
    Novo visual: destaque para os mosaicos de pedra portuguesa assinados por Roberto Burle Marx - acervo.oglobo.globo.com

 

Copacabana en(CANTADA)

O bairro e o calçadão ficaram tão famosos que tornaram-se inspiração para inúmeros compositores. Nossa brasileiríssima e tropical Bossa Nova agradece!

Foram celebrados em “Copacabana”, de João de Barro e Alberto Ribeiro. Entre no clima e ouça a canção na voz do saudoso Emílio Santiago:

"Copacabana" - Emílio Santiago

“Copacabana” – Emílio Santiago

 

Em “Sábado Em Copacabana”, de Dorival Caymmi e Carlos Guinle, a queridinha dos poetas ficou mais uma vez gravada no inconsciente popular. Reviva seus versos com Maria Bethânia: “Um bom lugar para encontrar: Copacabana…”

"Sábado em Copacabana" - Maria Bethânia

“Sábado em Copacabana” – Maria Bethânia

 

Até “Kátia Flávia”, a “louraça belzebu, louraça Satanás, gostosona e provocante”, se escondeu aqui em Copa! A letra é de Fausto Fawcett e Carlos Laufer e a interpretação funkeada é de Fernanda Abreu.

"Kátia Flávia" - Fernanda Abreu

“Kátia Flávia” – Fernanda Abreu

 

Agora vamos falar um pouco do protagonista do projeto que ajudou a fazer de Copacabana a eterna “Princesinha do Mar”, símbolo do Rio de Janeiro e do Brasil:

 

Roberto Burle Marx

Roberto Burle Marx - theplanthunter.com.au

Roberto Burle Marx – theplanthunter.com.au

 

Burle Marx nasceu em São Paulo e passou a infância em uma espaçosa casa na Avenida Paulista, onde teve seu primeiro contato com a jardinagem: cultivava rosas, begônias, antúrios, gladíolos, tinhorões e muitas outras espécies.

Nos anos de 1928 e 1929, devido a um problema nos olhos, mudou-se com a família para a Alemanha, onde entrou em contato com as vanguardas artísticas e ficou fascinado com a vegetação brasileira em uma estufa do Jardim Botânico de Dahlem, em Berlim. Nesta ocasião ele ficou muito dividido entre a pintura e as plantas. Tomou a decisão de estudar pintura e ao mesmo tempo visitar todos os dias o Jardim Botânico, apaixonando-se por espécies nativas brasileiras que ele sequer conhecia.

Entre os anos 20 e 40, a pintura de Marx revela-se presa ao expressionismo.

 

Influências cubistas + formas sinuosas

Na década de 40, Burle Marx se interessa pela pintura cubista e pré-cubista de Cézanne, Picasso, Braque, Léger, Gris, Lhote, entre outros. Mas, em depoimentos, afirma ter maior afinidade pela obra de Braque.

O aprendizado de Burle Marx na pintura influenciou a criação de seus jardins. Roberto inovou ao usar plantas nativas do Brasil em suas criações e isso se tornou sua característica marcante. O “estilo Burle Marx” tornou-se sinônimo do paisagismo brasileiro no mundo.

Uniu de maneira maestral a geometrização das formas e as espécies nativas brasileiras, “pintando” jardins de uma forma única.

 

Fazenda Tacaruna, RJ - burlemarx.com.br

Fazenda Tacaruna, RJ – burlemarx.com.br

 

Fazenda Tacaruna, RJ - burlemarx.com.br

Fazenda Tacaruna, RJ – burlemarx.com.br

 

Jardim Suspendo de Roberto Burle Marx - Museu Hering, SC - museuhering.com.br

Jardim Suspendo de Roberto Burle Marx – Museu Hering, SC – museuhering.com.br

 

Parque Burle Marx, SP - parqueburlemarx.com.br

Parque Burle Marx, SP – parqueburlemarx.com.br

 

Parque Burle Marx, SP - parqueburlemarx.com.br

Parque Burle Marx, SP – parqueburlemarx.com.br

 

As curvas de Copacabana

A obra de Burle Marx para o bairro de Copacabana preserva as ondas em pedra portuguesa junto à orla. O paisagista refez os desenhos originais dos calceteiros portugueses, apenas acentuando as curvas em uma forma ainda mais sensual, mantendo também o paralelismo com as ondas do mar, que fora implantado na reforma do início dos anos 30.

Este é o segredo do traçado das sensuais ondas do calçadão de Copacabana!... - desenfreadosdevaneiosdesmedidos.blogspot.com.br

Este é o segredo do traçado das sensuais ondas do calçadão de Copacabana!… – desenfreadosdevaneiosdesmedidos.blogspot.com.br

 

As curvas permaneceram paralelas às ondas do mar, porém maiores e mais sedutoras. Nos canteiros centrais, mosaicos contemporâneos - laformamodernaenlatinoamerica.blogspot.com.br

As curvas permaneceram paralelas às ondas do mar, porém maiores e mais sedutoras. Nos canteiros centrais, mosaicos contemporâneos – laformamodernaenlatinoamerica.blogspot.com.br

 

As curvas permaneceram paralelas às ondas do mar, porém maiores e mais sedutoras. Nos canteiros centrais, mosaicos contemporâneos - laformamodernaenlatinoamerica.blogspot.com.br

As curvas permaneceram paralelas às ondas do mar, porém maiores e mais sedutoras. Nos canteiros centrais, mosaicos contemporâneos – laformamodernaenlatinoamerica.blogspot.com.br

 

No canteiro central da avenida e nos pisos junto aos edifícios, Burle Marx inovou no calçamento, fazendo uso de pedras portuguesas de três cores – branco, preto e vermelho – com as quais desenhou no chão aquelas composições plásticas características de suas telas. O paisagista pode ser considerado um grande mosaicista contemporâneo. Além de calçadas – e que calçadas! – realizou inúmeros painéis artísticos com pastilhas de vidro.

Croquis de Burle Marx para o projeto do calçadão de Copacabana - istoe.com.br

Croquis de Burle Marx para o projeto do calçadão de Copacabana – istoe.com.br

 

Livros

Na Livraria Cultura, você encontra obras sobre Copacabana e também sobre a vida e a obra de Roberto Burle Marx. Adquira através do site www.livrariacultura.com.br.

Roberto Burle Marx Arte & Paisagem - livrariacultura.com.br

Roberto Burle Marx Arte & Paisagem – livrariacultura.com.br

 

A Invenção De Copacabana - livrariacultura.com.br

A Invenção De Copacabana – livrariacultura.com.br

 

Design

O {CASA)³ garimpou algumas peças assinadas por designers brasileiros que celebraram as ondas em padrão “mar largo” em suas criações:

Chaise Copacabana e Poltrona Copacabana, ambas criações da designer Jacqueline Terpins.

Chaise Copacabana - Jacqueline Terpins - dpot.com.br

Chaise Copacabana – Jacqueline Terpins – dpot.com.br

 

Poltrona Copacabana - Jacqueline Terpins - dpot.com.br

Poltrona Copacabana – Jacqueline Terpins – dpot.com.br

 

Em comemoração aos 450 anos do Rio de Janeiro, celebrados em 2015, a designer Luciana Duque desenvolveu uma técnica artesanal de marcenaria que permite entalhar em móveis de madeira maciça de demolição dois desenhos ícones da cidade: os calçadões de Copacabana e de Ipanema. Você encontra na carioquíssima Velha Bahia, referência no autêntico móvel Brasileiro: www.velhabahia.com.br. Curta também a página do Facebook.

Calçadões de Copacabana e Ipanema entalhados em móveis de demolição de madeira maciça - designer Luciana Duque - velhabahia.com.br

Calçadões de Copacabana e Ipanema entalhados em móveis de demolição de madeira maciça – designer Luciana Duque – velhabahia.com.br

 

Curtiu?

Dê um like e deixe seus comentários.

Esperamos você no próximo post. Até lá!!!

 

ALESSANDRA PALMEZAN | ADRIANO GRONARD | JÉSSICA ROSSA

 

Texto: Alessandra Palmezan

Uma resposta para O segredo das curvas de COPACABANA…

  1. […] Depois de todo esse despojamento, sugerimos uma visita a Copacabana e suas curvas em nossa matéria “O segredo das curvas de Copacabana”. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0
0
0